Marcos Aurelio

Olá, sou Marcos Aurélio e trabalho com ilustração profissional desde 1991!

+55 11 972945255
contato@marcosaurelio.art.br

Assinar a Newsletter

Digite seu endereço de e-mail para receber notificações de novas publicações por e-mail.

Tubos da mobilidade

Tubos da mobilidade

Basicamente, mobilidade é a facilidade de deslocamento de pessoas e bens nas aglomerações dentro das áreas urbanas para o desenvolvimento de atividades sociais, intelectuais e econômicas e pode representar as possibilidades disponíveis que tornam o indivíduo pleno para quaisquer atividades justamente por estar equipado com o que existe de mais recente em termos de acessórios ou serviços para determinada tarefa ou necessidade.

E mesmo os recursos mais simples, disponibilizados para a grande maioria das pessoas, podem trazer consequências para sua mobilidade que jamais teriam sido imaginadas justamente por não sabermos que tínhamos tal necessidade.

Hoje associamos à tecnologia digital como exemplo primordial para essa conquista mas pode-se dizer que ao longo do tempo qualquer tipo de inovação que estivesse acessível  caia nas graças das sociedades, urbanas ou não, por fazer o nível das atividades praticadas até aquele momento avançarem além de seus modos regulares.

Até a metade do século XVIII por exemplo a forma tradicional de desenvolver tintas e pigmentos para os artistas e pintores era muitas vezes feitos de forma trabalhosa, individualmente  e demandava a posse de itens, utensílios e espaço para a manipulação e preparo do material que tornava os ambientes de preparo similares à uma cozinha.

E caso o artista tivesse que realizar pinturas ao ar livre a forma mais prática disponível para fazer armazenamento e transporte da tinta trabalhosamente preparada e que garantisse que ela estivesse fresca no momento de sua utiiação era através de uma espécie de saco amarrado feito de bexiga de porco, blearghhh!


A tinta artística, trabalhosamente preparada mas com limitada variação de cores, era colocada em uma bexiga de porco cuidadosamente amarrada para garantir a máxima conservação de sua consistência durante o transporte para pinturas ao ar livre.

Muito bem, foi então que, no ano de 1841 , o retratista americano John Goffe Rand patenteou a brilhante ideia do primeiro tubo de tinta para acondicionar as tintas artísticas fabricadas.

É claro que a princípio houve recusas para substituir o laborioso método tradicional até então utilizado mas assim que tomou-se consciência da praticidade e mobilidade que tal invento traria para o mundo da pintura houve tamanho furor para se fazer uso do novo produto que entre eles, o movimento dos pintores impressionistas franceses, tornaram-se os primeiros a deleitarem-se com os tais tubos de tinta que logo de cara ofereciam para os interessados a possibilidade de deixar seus estúdios para assim visitarem lugares e regiões distantes sem preocupação com preparo prévio das tintas, feitos muitas vezes um dia antes da atividade.

Além disso, surgiu a confiança de que o produto nos tubos não secaria após o uso ou durante o transporte, graças às práticas tampas rosqueáveis que possuíam.

E o melhor era que os artistas encontavam a disponibilidade de quantidade e variedade de cores que aumentavam seu poder criativo para a representação dos temas observados.


Documento da patente da invenção do primeiro tubo para acondicionar tinta artística criada por John Goffe Rand.

Um dos primeiros contatos que tive com pintura artística de modo profissional foi utilizando tinta guache em minhas aerografias e tinta acrílica para pinturas com pincel e esta última em especial e na maioria das vezes apresentou-me um convívio prático e intenso com os tubos de tinta sem nunca me dar conta de como poderia ser uma vida artística sem a praticidade, limpeza e organização que aquelas “tintas portáteis” proporcionavam.

Tanto gostava da praticidade que obtinha daqueles tubos, que os tinha em diversos tamanhos e quantidades e os levava tranquilamente para qualquer lugar sem a menor preocupação com a possibilidade de seu rompimento ou desperdício de seu conteúdo.

Tanto gostava que acabei fazendo para um dos meus primeiro trabalhos com aerografia – usando técnica mista com lápis de cor e guache aerografado  –  a representação de uma sereia onde metade de seu corpo era uma embalagem de um tubo de tinta.


Uma sereia para minha paleta de tinta foi minha concepção de adolescente no início dos anos 90, inspirada totalmente nos tubos de tinta, protetores de minhas adoráveis tintas portáteis.

Como tenho postado informações do quanto sou apaixonado e inspirado pelos audiovisuais  para desenvolver meus exercícios práticos de interpretações artísticas, como mostrado na postagem “Ataque das silhouetas” acabei lembrando de um filme que é um dos melhores exemplos do quanto pode ser impactante a noção de praticidade que uma atitude simples e inovadora pode trazer para qualquer rotina.

Atenção, ALERTA DE SPOILER para o filme de 1934 “Imitação da vida”(Imitation of Life) do livro homônimo de Fannie Hurst.

Nesse filme, tem uma cena que acontece lá pelos 34 minutos de exibição em que um dos personagens, que não possui dinheiro para comprar as deliciosas panquecas que sua sócia cozinha,  sugere a proposta de trocar pela panqueca duas palavras que revolucionarão o comercio de panquecas das sócias e que após ter saboreado di as tais palavras que foram , la vem o spoiler, “- Empacote-as!”.


Fiz essa arte como um simples tributo à atriz Louise Beavers que interpretou a personagem Delilah Johnson que muito me emocionou ao ver o filme “Imitação da Vida” no fim dos anos 70 do séc. passado.

Imagino que o mesmo brilho nos olhos durante a reação da personagem ao ouvir e entender o poder e possibilidades daquelas palavras foram os mesmos cerca de cem anos antes que John sentiu ao resolver entubar as tintas para facilitar tanto transporte e manuseio quanto o comércio de tintas artísticas.

A partir desse momento a vida das personagens muda radicalmente para melhor mas a questão é que por fim, mais uma vez, tem-se na praticidade da mobilidade um fator que gera interesse justamente por potencializar a eficiência para qualidade de vida seja ela econômica ou social.

Deixe nos comentários o quanto você percebe que a mobilidade é importante em suas atividades e o quanto ela afeta sua vida.

Obrigado pela leitura e Sucesso para você!!