Marcos Aurelio

Olá, sou Marcos Aurélio e trabalho com ilustração profissional desde 1991!

+55 11 972945255
contato@marcosaurelio.art.br

Assinar a Newsletter

Digite seu endereço de e-mail para receber notificações de novas publicações por e-mail.

Estrutura e linhas

Estrutura e linhas

Antes de começar essa leitura ou qualquer uma que fale sobre desenhar, adote como regra a de ter sempre em mãos um lápis macio, 2B ou 4B, para que você possa desenhar o máximo de exemplos possíveis que são apresentados à você.


O lápis número 2 , à esquerda, exige maior pressão para fazer linhas com contraste e oferece resistência ao movimento em comparação aos lápis da série B, direita.
Desenhar com lápis macios dão espontaniedade e liberdade para esboçar .

Essa prática de receber a informação e praticar logo em seguida potencializa sua forma de desenhar.

Muito bem, tanto eu quanto os livros ou cursos de desenho insistimos na importância de primeiro estruturar seu desenho, de usar formas geométricas para facilitar a produção de esboços e de fazer uso de variações das linhas traçadas a lápis.

Faça rascunhos e esboços antes de desenhar. Sinta o papel e o lápis trabalhando juntos. Os desenhos preliminares sempre ajudam a obter resultados melhores para desenhos que serão finalizados posteriorente.
Procure desenhar em etapas, evoluir aos poucos com a ideia para chegar no resultado desejado

Veja bem, é tentador começar a “desenhar de primeira” sem linhas ou esboços preliminares.

A não ser que se queira fazer um desenho memorizado, resultante das muitas vezes em que foi desenhado, é extremamente comum para qualquer artista ou ilustrador fazer uso constante das tais linhas auxiliares e que justamente produzem formas básicas iniciais – como cilindros, esferas, pirâmides, cones e cubos – que serão as etapas, as guias, um roteiro porque não, para poder chegar na arte final.

Desenhs simples e fáceis de memorizar e feitos diretamente sem esboço algum.

Uma das formas mais fáceis para desenhar é representar o tema escolhido pelo seu perfil ou lateralmente muitas vezes.

É comum ver pessoas que não tem prática em desenhar iniciar um desenho de perfil, frontal ou lateralmente.

É quase que instintivo esse tipo de representação.

Mas devo ressaltar que é também um tipo de desenho muito eficaz e que oferece grandes chances de êxito na representação de qualquer tema.

Tanto é verdade que os homens das cavernas faziam seus desenhos na maioria das vezes com o tema desenhado de perfil.

Isso pode ser visto no documentário A Caverna dos Sonhos Esquecidos que mostra várias imagens ricas em detalhes feitas a mais de vinte mil anos sobre os animais que provavelmente habitavam a região naquela época.

Isso e leva a pensar na escrita egípcia, os hieróglifos, que eram compostas também de diferentes desenhos e em sua maioria de perfil.

O setor técnico sempre fez uso intenso de desenhos representando o perfil de componentes, estruturas, equipamentos, veículos entre outros.

Na indústria automobilística é útil e comum fazer desenhos em escala 1:1 de laterais de veículos para que possam ser feitas medidas e ajustes para uma melhor ergonomia do motorista.

Aos dois minutos e trinta e seis segundos pode-se ver o desenho lateral do veículo para melhor entendimento do espaço interno.

Pode-se dizer que existem basicamente o desenho Linear e o Sólido.

Simplificando, imagine o desenho de perfil – lateral, frontal, traseiro, inferior ou superior – da uma caixa de fósforos fechada.

É uma representação relativamente fácil de desenhar e eficaz por nos apresentar as características dimensionais da caixa de fósforos.

Agora, para podermos entende-la tridimensionalmente, para que possamos percebê-la, senti-la visualmente no espaço que ocupa mas representada na superfície bidimensional do papel recorremos à ferramentas que facilitarão a intenção dessa representação e que são as linhas auxiliares e a perspectiva.

Esta última apresenta-se de várias formas e intensidades mas falarei sobre ela mais a frente.

Essa combinação, linhas auxiliares e perspectiva, nos ajuda a entender a forma no espaço que ocupam, facilitam o entendimento da tridimensionalidade e proporções dos temas.

Deve-se usar o recurso das linhas auxiliares como ferramentas que estão a seu favor facilitando o ato de desenhar.

O círculo serve de base para a cabeça do personagem que vai sendo construido aos poucsos mas seguindo a orientação e posição das inhas auziliares que precisamente nos ajudam a enxergar o volume espacial das partes da cabeça.

É importantíssimo praticar o conceito de desenhar a tridimensionalidade o máximo que puder para que tanto a prática quanto o entendimento sejam absorvidos também pela memória muscular tornando-se quase que um movimento automático sua representação.

Numa representação tridimensional, também mostramos linhas do que não é visto justamente para reforçar nosso entendimento da forma e seu volume para que assim possamos obter um resultado melhor e mais realista do desenho mesmo que este não seja sobre algo realista.

Nesse momento a presença do efeito perspectiva torna-se presente e nos ajuda a entender melhor a forma no espaço que ocupa.

Uma forma simples para trabalhar com formas cilíndricas é a de começar com uma linha central para orientar a direção e espessura do objeto que será desenhado.
Uma brincadeira interessante de fazer é transormar objetos em personagens e usando o mesmo princípio de construção com linhas auxiiliares porém distorcidas.

O círculo é uma representaçao plana(A) e basedo em dois eixos(B) mas imagine que ao se escolher um dos eixos para fazer o círculo girar(C) o resultado obtido será uma esfera(D) e que pode ter a representação gráfica de seu volume através da inclusão de linhas auxiliares que ajudam a representar a profundidade dessa figura tridimensional.

A perspectiva ajuda a potencializar o efeito de profundidade do que está sendo representado.

Existem várias representações de perspectiva e as mais comuns são as Isométricas(A) muito usada em vídeo games e não apresenta distorção e as que utilizam Ponto de Fuga e nessas quanto mais próximo do ponto de fuga o tema estiver mais distorcida será a representação de sua perspectiva.

Ah, é importante lembrar que desenhar de memória um tema específico dependerá do quanto você o memorizou caso contrário faça uso de referências para ser fiel aos respectivos detalhes.

No caso dos homens das cavernas não era seguro trazer a referência para perto!

Uma forma de representar , de memória, algum tema é fazê-lo através do desenho de sua lateral, de seu o perfil pois é uma opção mais fácil de ser executada em contraste com a dificuldade de representar a profundidade e o volume quando não se tem o conhecimento de linhas auxiliares e perspectiva que nos ajudam a explorar muito mais as possibilidades dos desenhos.

Lembre sempre que as linhas auxiliares ajudam na definição das formas básicas como também na definição dos sólidos e estes por sua vez , combinados entre si, ajudam a compor o desenho.

Como as linhas auxiliares ajudam a orientar o caminho que o desenho seguirá elas são também excelentes para indicar as características e o tipo de superfície em que os detalhes estão localizados.

Conforme o seu entendimento aumenta diminui a quantidade de linhas auxiliares necessárias para desenhar

Acima vemos quatro etapas para desenhar um braço estilizado mas nada impede de que,com a prática alcançada, possamos usar apenas duas.

Agora outro ponto muito importante: as Linhas Valorizadas.

Um desenho feito com linhas uniformes deixam um aspecto monótono e sem intenção.

Leve sempre em consideração a forma que faz o traçado de seus desenhos.

A primeira face da esquerda é feita com linhas uniformes mas é a da direita que apresenta uma sensação mais orgânica e natural causado pelas variações de espessura das linhas.

Uma dica importante é fazer variações da espessura das linhas , com mais ou menos pressão, pois assim será possível representar a presença de áreas iluminadas com linhas mais finas e áreas escuras com linhas mais grossas.

Linha contínua e sem variação(A) muito utilizada no desenho técnico e nos desenhos animados 2D tradicionais, em contraste com uma linha com variação de intensidade muito utiizada em desenho artístico e nas histórias em quadrinhos.

Esse recurso chamado de linhas valorizadas é uma maneira de representar volumes dos sólidos de forma simplificada mas bem eficiente.

O desenho linear sem a indicação de luz e sombra é útil no desenho técnico mas no desenho artístico a grande atenção está voltada para a representação de luz e sombra.


O desenho técnico mecânico faz uso intenso de linhas uniformes e na grande maioria das vezes vistas feitas de perfil (Ae B) já na representação artística ou mesmo didática
o uso de luz e sombra aumenta o realismo e compreensão do tema(C).

Bem, com essas duas ferramenta, a estrutura e linhas valorizadas, sua forma de desenhar vai melhorar e muito na representação dos temas que gosta.

Compreennder e entender os volumes básicos, como os da figura, e o uso dinâmico das linhas melhoram muito a percepção e a produção de desenhos.

Obrigado por ter chegado até aqui na leitura e Sucesso para você!!

Sem comentários

Deixe uma resposta