Marcos Aurelio

Olá, sou Marcos Aurélio e trabalho com ilustração profissional desde 1991!

+55 11 972945255
contato@marcosaurelio.art.br

Assinar a Newsletter

Digite seu endereço de e-mail para receber notificações de novas publicações por e-mail.

Nascimento, vida e morte de um aerogerador

Nascimento, vida e morte de um aerogerador

Tenho orgulho em dizer que comecei minha vida profissional como ilustrador através do desenho técnico e para atender a esse setor foram necessários alguns cuidados – tanto de conhecimentos técnicos como de flexibilidade no relacionamento com profissionais de outros departamentos ou setores envolvidos – que parecem qualidades óbvias mas que foram desenvolvidos  de maneira empírica, não apenas na prancheta mas visitando oficinas, laboratórios e departamentos de engenharia.

A ilustração técnica não dá muito espaço para leituras ou interpretações subjetivas principalmente no que se refere à produtos, equipamentos, veículos, edificações ou sistemas que demandam artes objetivas, práticas, didáticas e informativas.

Normalmente o público desse tipo de arte quer exatamente isso e quanto menos luz e sombra melhor para entender o funcionamento do que foi ilustrado em detrimento de estética a ser apreciada.

Não existe linhas ao nosso redor definindo as formas mas justamente é com elas que conseguimos representar qualquer coisa.

Interpretamos padrões reconhecíveis e a silhueta é uma eficaz característica nesse reconhecimento.

Nossa inteligência visual nos permite, após experiências de vida, enxergar e perceber padrões visuais em nossas observações e em consequência nossa facilidade de perceber silhuetas beneficia a execução do desenho técnico através de linhas que definem as bordas externas da forma principal e vai evoluindo para as formas das partes e detalhes internos criando assim uma hierarquia que vem de fora para dentro tanto para  desenhos simples como o de um prego até as detalhadas como a de motores  à combustão.

Mesmo não existindo a necessidade de interpretação de luz e sombra – fundamentos muito apreciados e que comentei na postagem “Primeiro a luz e depois câmera, ação!” – é sempre possível fazê-lo de maneira indireta utilizando-se para isso a mudança de espessura de linhas que indicam o peso das superfícies com e sem iluminação.


Basicamente usa-se linhas grossas para indicar áreas de sombra e linhas finas para as supostas áreas iluminadas e esse recurso sempre foi utilizado em artes à bico de pena para ilustrar livros e quadrinhos e que chamamos de linhas valorizadas.

Dito tudo isso, é agora que essa postagem vai começar!

O aerogerador animado

Em julho de 2011 fora convidado a participar da primeira virada sustentável da cidade de São Paulo-SP e como não tinha nada lúdico que pudesse remeter à sustentabilidade ou meio ambiente eu separei algumas obras popart sobre natureza mas nada impactante visualmente que pudesse contrastar com o material dos expositores.

Como já fazia experimentações com animação para as aulas de arte para crianças fiz uma conexão rápida de elementos e pensei na mistura do conhecido flip-book com as pás de um aerogerador vertical e no mesmo dia montei uma miniatura de turbina eólica vertical mas sem gerador porém, que funcionaria como uma escultura dinâmica para ficar exposta no evento.

Ainda como Estudio Manga publiquei esse momento de criatividade resultado de animação com mecânica simples.

Enfim, chamou tanto a atenção que inclusive questionei “ porque não patentear e comercializar?”.

Bem , foi nesse momento que tudo começou a dar errado pois diminuí minha atenção da produção de ilustração comercial para ficar pensando, calculando e construindo modelos de aerogeradores até chegar num modelo enorme que patenteei como Aerogerador Animado e que contou com a ajuda de duas empresas sensacionais que foram a Roland Do Brasil , fornecedora das pás de lona impressa em alta resolução, e da JMService que foi responsável pela importação do coração do equipamento que foi um gerador que foi instalado assim que chegou em minhas mãos.

Muito bem, é nesse momento que chegamos aos momentos críticos da vida do aerogerador animado pois , instalado em um terreno ao lado da casa dos meus pais , que eram os analistas e comentaristas da performance do equipamento, principalmente nos dias de vento intenso e tempestades com raios que tiravam seu sono, que uma “tal pessoa” sugeriu aquilo que seria a morte do equipamento.

A “talPessoa” foi alguém que conheci na mencionada virada sustentável sugerindo várias informações e dicas relevantes sobre construção e procedimentos sobre patente mas sempre a distância e ouvindo os relatos de minha evolução com o equipamento.

Três vezes fora recebido em sua enorme casa onde até levei meu pai para a construção de uma  “espinha de peixe” que poderia ser uma ideia para um novo protótipo mas que não deu em nada.

Aerogerador animado exposto na entrada do slão do evento BWEC2013

Eis que um belo dia  a “talPessoa” entra em contato dizendo que “…ao invés do aparelho ficar num terreno ao lado de uma plantação de chuchus seria muito mais eficiente e gratificante se ele fosse energizar a iluminação de emergência de um asilo, que sofria de queda de luz constantemente, onde ele instalaria um sistema de iluminação de emergência no local  localizado na cidade de Caucaia do Alto-SP vizinho de sua residência”, bem longe de onde o equipamento estava até então.

Adorei a ideia pois estava livre de preocupações , em termos de segurança e cuidados para com o equipamento , por conhecer a “talPessoa” .

O caminhão por ele solicitado chega, embarca e leva o equipamento pleno e funcionando e com a certeza de que no tal asilo finamente ele faria a grande diferença.

Um dos folhetos que utilizei para conseguir apoio e patrocínio para o projeto e onde pode-se ver claramente o chassi metálico desenvolvido para suportar tanto a estrutura quanto as baterias que iriam compor o lastro para evitar que a estrutura fosse derrubada em ventanias.

Lembro de ter dito “Cuidem bem do menino” e em resposta “… Terá notícias gratificantes da causa nobre que a cria terá!”.

Isso aconteceu em 2017 e desde então vinha tentando obter fotos, vídeos ou qualquer outra informação junto à “talpessoa”, responsável por aquela iniciativa, que comprovasse que o equipamento estava instalado, funcionando e prestando-se à nobre função.

A última foto que tirei ao lado do querido aerogerador animado, protótipo plenamente funcional e gerando energia. Valeu!!

Lavando roupa suja ou simplesmente “Desopilando o Figo”

Eis que somente em maio de 2021, após alguns desencontros recebo da “talpessoa” as informações sobre a médica participante com ela do processo de doação e o contato do asilo em que o saudoso aerogerador animado fora instalado.

Ao entrar em contato com a administração do lar para idosos o atendente,após ouvir minha solicitação sobre o equipamento que estaria instalado nas dependências do local, me responde que não sabia do que eu estava falando e que a administração era nova e não existia nada que parecesse com as fotos que enviei a não ser “..só um minuto” disse ele, “veja se isso aqui tem algo a ver com seu equipamento.”

O tùmulo do meu querido aerogerador animado é um local a céu aberto com a úncica parte que nao foi saqueada e jaz inerte enferrujando no tal asilo na cidade de Caucaia do Alto-SP.

Um filme passou na cabeça resumindo toda a jornada de trabalho e dedicação e de empresas e pessoas envolvidas ao ver a foto acima do chassi interno, base de toda a estrutura do equipamento, jogada e enferrujando em um quintal do tal asilo.

Irritado, nervoso e incrédulo entrei em contato com a “talPessoa” que prontamente desconversou e frente minha argumentação alterada pela emoção disse algumas palavras que não explicaram nada e disse não mais se interessar em responder…por fim, nunca mais tive notícias suas.

Toda essa necessidade de contar essa história devido ao respeito e necessidade de relatar aos envolvidos e à confiança depositada por eles na jornada do aergerador que acabou me custando não apenas equipamento e confiança depositada por pessoas e empresas mas uma confiança que também depositei no conhecimento técnico e social da  “talPessoa”.

Página Virada

A experiência aguçou mais minha criatividade, provou a força do desenho como inspiração e indicativo para as melhores opções durante o desenvolvimento de projetos e sedimentou a importância de continuar focado nos estudos e trabalhos envolvendo ilustração comercial, minha grande paixão.

Desenvolvimento da ideia e pré-visualização em 3D me garantiram confiança para iniciar a jornada do aerogerador animado que terminou enferrujada materialmente mas que potencializou minha criatividade graças ao domínio dos fundamentos do desenho técnico.

Deixe nos comentários  se você tem ou teve a oportunidade de patentear alguma coisa ou se apenas usou o desenho para conduzir seus projetos.

Obrigado e Sucesso para você!!